sebraelogo

Escola de culinária

Lauri Tadeu Corrêa Martins

Apresentação

Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. O objetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender?

A ação de cozinhar é uma das mais antigas atividades humanas, que surgiu há aproximadamente sete mil anos atrás, quando então o homem descobrui meios seguros de obter e dominar o fogo. Com relação ao ofício de cozinheiro, não se tem idéia da data de seu início. O que existem são relatos de grandes  banquetes na corte da Mesopotâmia por volta de 3000 a.C., o que vem a ligar esses banquetes a provável existência de cozinheiro. Em face disso, confirma-se que essa é uma profissão antiqüíssima e, também, mostra que a comida sempre foi um importante elemento nas relações sociais e de poder.
Diferenças entre CULINÁRIA e GASTRONOMIA
As palavras, culinária e gastronomia são utilizadas muitas vezes como sinônimas, mas existe uma diferença entre os termos.
Culinária é definida como a arte de cozinhar. Uma arte que como foi relatado nos parágrafos anteriores evoluiu ao longo da história dos povos para se tornar parte da cultura deles. Existem aspectos de cada país, como a religião, os quais interferem no modo de preparo dos alimentos, conferindo uma característica específica à culinária local. Como exemplo pode-se citar a carne de vaca, a qual é tabu entre o povo hindu.  A de porco não pode ser consumida pelos mulçumanos e judeus, por princípios religiosos.
Gastronomia é um ramo que abrange a culinária, as bebidas, os materiais usados na alimentação e, em geral, todos os aspectos culturais a ela associados. Por isso, é um termo mais abrangente que a culinária, sendo considerada uma cultura. A palavra gastronomia é de origem grega, sendo composta por gaster (ventre, estômago), por nomo (lei) e pelo sufixo ia, significando estudo ou observância das leis do estômago.
Nos dias de hoje a gastronomia está estimulada pelo turismo, pois com o turismo em alta, a rede de hotéis aumentou e por conseqüência, aumenta também a necessidade de mão de obra especializada. Vale lembrar também que várias regiões do país tendem a aumentar seus preparativos para os grandes eventos que acontecerão daqui a quatro anos,  que é a copa do mundo de 2014, que acontecerá em 12 cidades-sede, a saber: Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), Manaus (AM), Natal (RN), Recife (PE) e Salvador (BA).
Além de atender as pessoas que buscam um curso de culinária com o objetivo de se profissionalizar, estão surgindo também agora o interesse de pessoas que buscam o curso de culinária como um lazer. Até as crianças estão buscando os cursos de culinária para aprender desde cedo a arte de cozinhar. Esta mudança de postura de boa parte das pessoas é muito positiva para o futuro das escolas de culinária / gastronomia.

Este documento não substitui o plano de negócio. Para elaboração deste plano consulte o SEBRAE mais próximo


 

Mercado

Segundo a ABAGA - Associação Brasileira da Alta Gastronomia, atualmente, no Brasil, a gastronomia vive um momento muito bom. Ao longo das últimas duas décadas, o cenário gastronômico nacional se transformou completamente. A mudança mais sensível, e que serviu de mola propulsora para todas as outras, foi, justamente, a profissionalização do setor. Começou, timidamente, com a chegada de chefs estrangeiros no começo dos anos 80, fortaleceu-se com a abertura das importações no começo dos anos 90 e consolidou-se com a fundação da Associação Brasileira da Alta Gastronomia - ABAGA, em 1995, cujo empenho, desde o início, embasou-se em dois pilares complementares, a formação e a valorização do profissional da cozinha.
Conforme levantamento realizado pela Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) em parceria com a Focus Pesquisa, no Brasil, 25% das refeições são feitas fora de casa e cerca de 26% dos gastos dos brasileiros com alimentação são realizados nessas refeições.
Os dados estatísticos apresentados acima, mais o fato do aumento da exigência dos clientes consumidores que realizam suas refeições fora de casa, aliado ao aumento considerável do turismo interno são fatores importantes que demonstram o importante espaço para ser explorado por pessoas que queiram empreender na área gastronômica do país.
Atualmente os cursos de culinária e ou gastronomia tem aumentado em face da demanda momentânea.
Segundo a coordenadora do curso de Tecnologia em Gastronomia do Centro Universitário SENAC, Ingrid Schimidt-Hebbel, a área tem crescido muito e há perspectiva de que se expanda ainda mais. ?Quando se pretende expandir o turismo, uma das metas do governo federal, automaticamente estão envolvidas as áreas de gastronomia e hotelaria?.

Conforme foi apresentado acima, nos últimos anos a culinária mudou muito, de atividade limitada aos recantos mais escondidos da casa, hoje tem um quê de sofisticação e arte. Essa mudança de visão sobre a culinária tem levado muitos amadores para os cursos de culinária e transformando esses cursos em um momento de lazer. Segundo reportagem da eletrônica Revista Época ?o prazer de cozinhar tem levado amadores a cursos de culinária, transformando  reuniões de amigos em banquetes?.

Localização

O Centro Gastronômico/Escola de Culinária oferece produtos de compra planejada, ou seja, o consumidor pesquisa preço e qualidade antes da escolha de uma empresa ou outra. A sua área de atratividade é mais ampla, logo as pessoas tendem a deslocar-se por distâncias maiores para adquirir um produto que, para elas, é especial. A diferenciação de qualidade, preço, unicidade e atendimento são fatores mais importantes para o negócio que a localização.

No entanto, a facilidade de acesso é sempre um fator importante, assim como a comodidade. Um Centro Gastronômico deve estar localizado em área bem freqüentada e condizente com a imagem que a escola quer passar.
No momento da escolha do imóvel é relevante atentar para os seguintes fatores:
a) Certifique-se de que o imóvel em questão atende as suas necessidades operacionais quanto à localização, capacidade de instalação, características da vizinhança - se é atendido por serviços de água, luz, esgoto, telefone etc.;

b) Tratando-se de imóvel alugado, negocie o valor do aluguel, data de pagamento, prazo de locação e demais cláusulas com o locador, na forma e condições compatíveis com o empreendimento, considerando o tempo de retorno do investimento.

c) Cuidado com imóveis situados em locais sem ventilação, úmidos, sujeitos a inundações ou próximos às zonas de risco. Consulte a vizinhança a respeito;

d) Verifique se o imóvel possui comodidades que possam tornar mais conveniente e menos onerosa a gestão do negócio tais como: proximidade dos clientes mais importantes ou dos locais de residência dos empregados;

e) Verifique se o imóvel está legalizado e regularizado junto aos órgãos públicos municipais que possam interferir ou impedir sua futura atividade;

f) Confira a planta do imóvel aprovada pela Prefeitura, e veja se não houve nenhuma obra posterior, aumentando, modificando ou diminuindo a área primitiva, que deverá estar devidamente regularizada.

Exigências

É necessário contratar um contador profissional para proceder a abertura da  empresa. Para tanto deverá dar entrada  nos seguintes órgãos:
- Junta Comercial;
- Secretaria da Receita Federal (CNPJ);
- Secretaria Estadual de Fazenda;
- Prefeitura Municipal, para obter o alvará de funcionamento;
- Enquadramento na Entidade Sindical Patronal em que a empresa se enquadra (é obrigatório o recolhimento da Contribuição Sindical Patronal por ocasião da constituição da empresa e até o dia 31 de janeiro de cada ano);
- Caixa Econômica Federal, para cadastramento no sistema ?Conectividade Social ? INSS/FGTS?;
- Corpo de Bombeiros Militar.

A Portaria 1428/93 do Ministério da Saúde estabelece a obrigatoriedade para todos os estabelecimentos que manipulam produtos alimentícios implantarem o sistema PAS (antigo APACC). As Boas Práticas de Fabricação são pré-requisitos fundamentais.

A legislação municipal deve ser pesquisada para se conhecer as exigências locais sobre estabelecimentos que produzem alimentação.

Além do cumprimento das exigências anteriores, é necessário pesquisar na Prefeitura Municipal se a Lei de Zoneamento permite a instalação de Centro Gastronômico/Escola de Culinária no local.

O Sebrae local poderá ser consultado para orientação.

Estrutura

A estrutura de um Centro Gastronômico/Escola de Culinária deverá ser pensada de acordo com o volume que o empreendedor está investindo no projeto e deve ser organizada de acordo com o perfil dos futuros clientes e os serviços que serão ofertados.
Independente do tamanho do projeto, uma Escola de Culinária / Gastronomia, deverá contemplar os seguintes espaços:
- Atendimento / Recepção
- Salas de Aula
- Cozinha Experimental
- Câmara fria (opcional)
- Administração
- Almoxarifado
- Vestiário
- Copa
- Banheiros
É aconselhável dispor de estacionamento. Se não houver disponibilidade permanente de vagas públicas nas proximidades, recomenda-se realizar convênios com estacionamentos próximos.

Pessoal

A quantidade de profissionais está relacionada ao porte do empreendimento. Para um Centro Gastronômico/Escola de Culinária pode-se começar com três empregados para o atendimento aos alunos e manutenção das instalações.

A atividade de caixa pode ser executada pelo empresário ou por um dos atendentes.

O Empresário deve contratar professores com experiência profissional, tendo em vista a característica prática das aulas. Bons cozinheiros, além de competentes, devem ser criativos, ousados e terem boa liderança, mantendo os alunos envolvidos e interessados pelas aulas.

O empresário e os atendentes devem gostar da atividade e conhecer vários detalhes como as necessidades do cliente e o formato dos cursos oferecidos. Freqüentar cursos, pesquisar através de livros e da Internet e conversar com outros profissionais são estratégias de atualização fundamentais para o sucesso do negócio.

O atendimento personalizado e qualificado é um item que merece a maior atenção do empresário, procurando-se a manutenção e fidelização da clientela. As pessoas que procuram aulas de culinária vêm com expectativas variadas, por isso é necessária muita habilidade para manter todos satisfeitos e com a sensação de terem encontrado o ambiente que procuravam. Uns querem aprender por necessidade, outros por desejo de surpreender familiares e amigos, além dos excêntricos que querem agregar uma competência distintiva no seu conjunto de habilidades pessoais.

Deve-se estar atento para a Convenção Coletiva do Sindicato dos Trabalhadores no Comércio, utilizando-a como balizadora dos salários e orientadora das relações trabalhistas, evitando, assim, conseqüências desagradáveis.

O Sebrae da localidade poderá ser consultado para aprofundar as orientações sobre o perfil do pessoal e o treinamento adequado.

 

Equipamentos

São necessários os seguintes móveis e equipamentos:

Mobiliário para a área administrativa
- microcomputador completo
- impressora
- telefone
- fax ?
- mesa escrivaninha
- cadeira

Mobiliário e equipamentos para a cozinha didática:
- Datashow
- microcomputador completo
- mesas e bancadas para o preparo de alimentos com fogões individuais
- fogão industrial com forno
- exaustor
- filtro / purificador de água
- liquidificador
- batedeira
- centrífuga
- processador de alimentos
- freezer vertical
- refrigerador
- forno de microondas
- utensílios diversos para cozinha
- cadeiras para alunos
- armários.

Matéria Prima

A gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a demanda. Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros, os seguintes três importantes indicadores de desempenho:
Giro dos estoques: o giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado.
Obs.: Quanto maior for a freqüência de entregas dos fornecedores, logicamente em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice de rotação de estoques. Cobertura dos estoques: o índice de cobertura dos estoques é a indicação do período de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas futuras, sem que haja suprimento. Nível de serviço ao cliente: o indicador de nível de serviço ao cliente para o ambiente do varejo de pronta entrega, isto é, aquele segmento de negócio em que o cliente quer receber a mercadoria, ou serviço, imediatamente após a escolha; demonstra o número de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, pelo fato de não existir a mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão.
Portanto, o estoque dos produtos deve ser mínimo, visando gerar o menor impacto na alocação de capital de giro. O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa.A matéria-prima utilizada para a composição das diversas receitas utilizadas nas aulas é composta dos mais diversos ingredientes tais como: carnes, aves, ovos, especiarias, legumes, frutas, verduras, castanhas, grãos, molhos, etc.

Para a definição do mix de produtos a ser oferecido, o empresário deverá visitar escolas estabelecidas, ouvir permanentemente seus clientes e ir fazendo adaptações ao longo do tempo.

Processos Produtivos

Os processos produtivos de um Centro Gastronômico/Escola de Culinária são divididos em:

Atendimento e recepção ? é o ambiente do primeiro contato com o cliente, geralmente formada por um balcão de atendimento, onde os alunos resolvem as situações corriqueiras do dia-a-dia, tais como matrícula nos cursos, informações, material didático, etc.
Produção das aulas ? realizada na cozinha didática que é o espaço utilizado para o ensino de técnicas de preparo de alimentos. Como as aulas são essencialmente práticas, o espaço ideal precisa oferecer aos alunos condições de observar todos os movimentos do professor e executar todas as operações necessárias ao preparo dos alimentos. Deve ser composta por uma área central de ensino e várias unidades de trabalho de forma que cada aluno ou grupo de alunos possa repetir em sua unidade, o trabalho realizado pelo professor.

Administração ? Pequeno espaço destinado às atividades de compra e relacionamento com fornecedores, controle de estoques, controle de contas a pagar, atividades de recursos humanos, controle financeiro e de contas bancárias, acompanhamento do desempenho do negócio e outras que o empreendedor julgar necessárias para o bom andamento do empreendimento.

Depósito ? É o local onde ficam armazenados os estoques de alimentos, bebidas, peças de reposição, uniformes, etc. Deve estar em ambiente fresco, seco e de fácil higienização. Escolas de maior porte necessitarão de câmara fria para guarda de alimentos perecíveis.

Salão de Eventos ? É importante dispor de um espaço destinado para eventos, coffee-breaks, palestras, recepções, área para degustação, etc, de acordo com os serviços oferecidos.

Automação

Há no mercado uma boa oferta de sistemas para gerenciamento de Centros Gastronômicos/Escolas de Culinária. Para uma produtividade adequada, devem ser adquiridos sistemas que integrem as compras, as vendas e o financeiro. Os softwares possibilitam o controle dos estoques, cadastro e freqüência dos alunos, serviço de mala-direta para clientes e potenciais clientes, controle de estoque de produtos, cadastro de móveis e equipamentos, controle de contas a pagar e a receber, fornecedores, folha de pagamento, fluxo de caixa, fechamento de caixa etc.
Atualmente, existem diversos sistemas informatizados (softwares) que podem auxiliar o empreendedor na gestão de uma pequena empresa (vide http://www.baixaki.com.br ou http://www.superdownloads.com.br). Seguem algumas opções de programas:
? Automatiza Financeiro;
? Sistema CRGNET;
? Financeiro;
? Orçamento Empresarial;
? SIC ? Sistema Integrado Comercial;
? Sintec-pro;
? InstantCashBook;
? Direct Control Standard;
? Desktop Sales Manager;
? Advanced Accounting Powered by CAS;
? Contact your Client Professional;
? JFinanças Empresa;
? GPI ? Gerenciador Pessoal Integrado;
? SGI ? Sistema Gerencial Integrado;
? MaxControl;
? Apexico VAT-Books;
? Yosemite Backup Standard;
? ERP Lite Free;
? II Worklog;
? Business Reports;
? Fortuna 6.0;
? Terrasoft CRM;
? Magic Cash.

Canal de Distribuição

O termo canais de distribuição ou marketing foi durante muito tempo considerado apenas mais um dos componentes do composto mercadológico, juntamente com produto, preço e promoção. Com as mudanças ocorridas nos últimos anos em termos de crescimento do poder dos distribuidores, avanços tecnológicos, necessidade de sustentação de uma vantagem competitiva, entre outros fatores, a distribuição passou a ser vista como o maior meio de se conseguir um avanço e crescimento no mercado.
Neste sentido, os canais de distribuição vêm ganhando cada vez mais importância no meio empresarial e suas estruturas evoluem em termos de formatos e alternativas mais criativas e inovadoras. Com o aumento da concorrência nos diferentes mercados, ter uma estratégia de canais de distribuição bem planejada corresponde a ter os produtos nas prateleiras e conseqüentemente participação no mercado.
As estruturas dos canais variam de acordo com o ramo da empresa, a localização, tamanho de mercado, entre outras variáveis. Quanto maior o grau de serviços que o produto exige, maior tende a serem os níveis de intermediários utilizados e a distância com o consumidor final. No caso de um empreendimento inicial , o canal de distribuição de uma ESCOLA DE CULINÁRIA OU GASTRONOMIA é único e direto com o cliente, conforme apresentado na representação abaixo:

1?ESCOLA DE CULINÁRIA / GASTRONOMIA------------->EMPRESA CLIENTE

Investimentos

O ideal para o empreendedor é que o mesmo busque ajuda junto ao SEBRAE, para elaborar seu PLANO DE NEGÓCIO, antes de dar qualquer passo nos seus projetos, pois todo negócio, tem que ser estudado no detalhe, para não vir a sucumbir prematuramente.
O tamanho do investimento em um negócio de uma empresa de ESCOLA DE CULINÁRIA / GASTRONOMIA dependerá do projeto do empreendedor.
Caso o empreendedor deseje ter uma visão preliminar antes de partir para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIO, basta que o mesmo realize uma boa Pesquisa de Mercado. Se o candidato a empreendedor já atuou no ramo de ?escola de culinária / gastronomia?, como empresário ou como empregado, não pense que já sabe tudo. Visite o maior número possível de lojas, converse com os proprietários e empregados faça amizade com o maior número possível de empresários, troque idéias, confira as diferentes percepções sobre o mercado, as dificuldades inerentes ao negócio, etc.
Se você não é do ramo, por um lado isto é bom porque não tem vícios e sabe que tem de aprender muito. O caminho é pesquisar, conversar com pessoas do ramo e questionar até entender o melhor possível como se ganha dinheiro com uma escola de culinária / gastronomia
Somente assim, o futuro empresário terá uma visão com relação a toda a complexidade do negócio e assim poder prever o tamanho do valor a ser investido.

Deverão ser relacionadas como INVESTIMENTOS, as despesas com: imóvel (aluguel ou compra); instalações (todos os móveis e máquinas), equipamentos, contratações de serviços e de empregados, treinamentos, documentações para legalização da empresa e o montante do valor relativo ao Capital de giro.
Para facilitar o estudo preliminar, elaboramos no quadro abaixo, uma simulação de valores referentes ao investimento, o qual servirá para orientar a pesquisa do empreendedor.
Lembramos que os dados inseridos no mesmo são meramente ilustrativos.

              ;          INVESTIMENTO NO PROJETO - Estudo Preliminar 
            &nbs p;                    (Os valores são simbólicos)
   
Detalhamento          &nbs p;             Desembolso        Desembolso           Dese mbolso          Subtotal
           &n bsp;            &nbs p;                       1º mês              ;     2º mês              ;       3º mês 
Invest. em Instalações           20.000,00             ; 10.000,00             ;    10.000,00             ; 40.000,00
Investimento em
Equipamentos e Software     10.000,00            ;   10.000,00             ;    10.000,00            30.000,00
Investimento em veículos           -             & nbsp;                 -             & nbsp;                -             & nbsp;             -
Serviços de terceiros             ;   1.000,00                 1.000,00                   1.000,00             3.000,00
Mat. de consumo e utensílios      .            & nbsp;            &nb sp;    .             & nbsp;            1.000,00             1.000,00
Gastos c/ abert. e inaug.              .             & nbsp;            &nb sp;   .             & nbsp;            3.000,00             3.000,00
Reserva p/ gastos não
 previstos         &nbs p;                         3.000,00                      -            & nbsp;                  -             & nbsp;      3.000,00
Estoque mat. aula            &nbs p;       2.000,00                 1.000,00                   1.000,00             4.000,00
Subtotal       &nbs p;                           36.000,00               22.000,00             ;   26.000,00        &nbs p;  84.000,00
Reserva p/ Cap.de giro            &nbs p;    .             & nbsp;                -             & nbsp;         16.000,00           16.000,00
TOTAL                       &n bsp;             36.000,00             ;   22.000,00             ;   43.000,00         100.000,00

 

 

Capital de Giro

Custos

Custos são todos os recursos consumidos na produção de um bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente no preço dos produtos ou serviços prestados, como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissionais, despesas de vendas, matéria-prima e insumos consumidos no processo de produção.
 
O cuidado na administração dos custos envolvidos na compra, produção e venda de produtos ou serviços que compõem o negócio de fabricação de brindes indica que o empreendedor poderá ter sucesso ou insucesso, na medida em que encarar como ponto fundamental a redução de desperdícios, a compra pelo melhor preço e o controle de todas as despesas internas. Quanto menores os custos, maior a chance de ganhar no resultado final do negócio.
 
Para facilitar o entendimento e para futuros estudos preliminares sobre os custos mensais para a  operacionalização de uma ESCOLA DE CULINÁRIA, foi elaborado como exemplo, um quadro contendo uma simulação deste estudo. Lembramos que os dados inseridos no mesmo são meramente ilustrativos.

 CUSTOS MENSAIS 
1 Salários e encargos                          &n bsp;            &nbs p;     12.800,00
2 Tributos, impostos, contribuições e taxas            1.000,00
3  Aluguel, segurança             ;             & nbsp;            &nb sp;        2.000,00
4  Água, luz, telefone e acesso a Internet                    800,00
5  Merc. p/ higiene e limpeza da
empresa e     funcionários           &n bsp;            &nbs p;                  200,00
6         Merc. p/ ativ. Cursos (alimentos e n. alim.)  2.000,00
7  Recursos para manutenções corretivas                200,00
8  Assessoria contábil                         &n bsp;            &nbs p;          300,00
9  Propaganda e publicidade da empresa               &n bsp;  500,00
 TOTAL        &nb sp;              ;             & nbsp;            &nb sp;              ;     19.800,00

Como agregar valor

A diversificação de um negócio de ESCOLA DE CULINÁRIA / CENTRO GASTRONÔMICO, se dá pela oferta de outros serviços como: aluguel de espaço para festas e recepções, serviço de buffet para banquetes e eventos, palestras, etc.

A linha de cursos deve ser bastante diferenciada podendo ir da cozinha francesa, até receitas de microondas, confeitaria, bolos decorativos, doces, cestas, esculturas, saladas, sushis, risotos, sopas, lanches e salgados. Outros cursos podem ser desenvolvidos como básico para iniciantes, gourmets, capacitação chef, infantil, só para homens, especial para diabéticos, etc.

Uma outra opção de diferenciação é a especialização através do oferecimento de cursos de segmentos como a cozinha italiana, francesa, japonesa, chinesa, etc.

Recomenda-se também a  realização de cursos para grupos fechados, de clientes, empresas e estabelecimentos.

Novidades são itens muito interessantes para chamar a atenção do cliente tais como: receitas criativas, comidas exóticas, etc.

É fundamental conhecer profundamente as necessidade dos clientes, o tipo de informação que eles buscam ao freqüentar a escola de culinária, para o desenvolvimento dos cursos e receitas.

 

Divulgação

Os meios para divulgação de um Centro Gastronômico/Escola de Culinária variam de acordo com o porte e o público-alvo escolhido. Para um empreendimento de pequeno porte, pode ser usada a distribuição de pequenos informativos junto aos clientes que procuram a escola. Outras alternativas são os anúncios em jornais de bairro, revistas locais e propaganda em rádio.

A divulgação através de site na internet deve ser considerada, pois o acesso de pessoas à rede cresce permanentemente e em larga escala.

Para divulgação direcionada para executivos e outros públicos considerados como alvo do negócio pode-se realizar parcerias e/ou convênios com empresas, instituições de ensino superior e outras organizações.

Na medida do interesse e das possibilidades, poderão ser utilizados anúncios em jornais de grande circulação, revistas e outdoor. Se for de interesse do empreendedor, um profissional de marketing e comunicação poderá ser contratado para desenvolver campanha específica.

Informaçes Legais

Eventos

Congresso Nacional de Culinaristas - CONAC
Evento anual.
Local: em estados diferentes a cada ano
www.abpcbrasil.org.br/conac

Fispal Food Service - Feira Internacional de Produtos e Serviços para Alimentação Fora do Lar
Evento Anual
Local: São Paulo - SP
www.fispal.com/

Restaubar Show
Evento Anual
Local: Transamérica Expo Center- São Paulo-SP
www.restaubar.com.br

22º Congresso Nacional da Abrasel
O evento, promovido pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), acontece no período de 18 a 20 de agosto, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília (DF) e irá oferecer aos empreendedores do segmento de alimentação fora do lar a oportunidade de conhecer as novas tendências do mercado, aprimorar as atividades empresariais e ampliar a visão estratégica sobre seus negócios.
Data: 18/08 a 20/08
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães
Mais informações: www.abraseldf.com.br


Brasília Restaurant Week
Ótima oportunidade para os gourmets visitarem restaurantes de diversos estilos e etnias espalhados por toda Brasília.
Brasília recebe de 19 de julho à 1 de Agosto/2010, mais uma edição do evento gastronômico Restaurant Week e conta desta vez com 80 restaurantes. A primeira edição aconteceu em julho de 2009 com a participação de 50 bons restaurantes da cidade, movimentando em torno de 38 mil pessoas em 14 dias.
Programação completa de restaurantes, cardápios e horários no site: www.restaurantweek.com.br


Festival Brasil Sabor - 5ª edição
O evento ocorreu entre 15 de abril e 15 de maio de 2010.
O Festival Brasil Sabor, promovido pela Abrasel, em parceria com o Ministério do Turismo e Sebrae, é o único festival com participantes em todo o Brasil, em mais de 300 cidades brasileiras entre chefs e estabelecimentos. Este ano o tema foi ?Festival Brasil Sabor. Sabores que contam histórias?. A idéia é valorizar a história que cada prato elaborado tenha para contar, resgatando os temperos de nosso país, os ingredientes específicos de cada região e o jeito único de preparar pratos inesquecíveis.Para saber qual cidade está participando e verificar pratos, valores e funcionamento dos restaurantes do evento, visite o site do Festival Brasil Sabor ? http://www.brasilsabor.com.br/fes tival/

 

Entidades

Associação Brasileira dos Profissionais de Culinária - ABPC
Rua São Simão, 360 ? Porto Alegre-RS
CEP 91420-560
(51) 3334-4969
www.abpcbrasil.org.br/

Associação Brasileira de Gastronomia, Hospitalidade e Turismo - ABRESI
Largo do Arouche, 290 - 9º andar ? Vila Buarque - São Paulo-SP
CEP 01219-010
(11) 3327-2082
www.abresi.com.br
ABAGA - Associação Brasileira da Alta Gastronomia
Rua Jorge Rizzo, 51
CEP 05424.060 - São Paulo, SP - Brasil
Fone/Fax: (011) 3032-9947 / 3032-9701
E-mail: abaga@abaga.com.br
http://www.abaga.com.br/modules.php?name=Content&pa=showpage&pid=1

Ministério da Saúde
www.saude.gov.br/

Agencia Nacional de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br/


Procurar na localidade:

Abrasel ? Associação Brasileira de Bares e Restaurante.

Alguns Fornecedores / Fabricantes

Recanto das Cozinhas
Av. Paula Ferreira, 1384/1 ? Pirituba ? São Paulo-SP
CEP 02916-000
(11) 3975-2074
www.recantodascozinhas.com.br

Via Inox
(48) 3025-2556
www.viainox.com

Sevilha
Rua Paula Sousa, 118 ? São Paulo-SP
(11) 3326-1979
www.sevilhanet.com.br

Rodrigues Alfano
Rua Coriolano, 301 ? Lapa - São Paulo-SP
CEP 05047-000
(11) 3865-7744
www.rodriguesalfano.com.br

NUCLEORA ? Projetos para Cozinhas Profissionais
(11) 3266-8899
www.nucleora.com.br


Obs.: Pesquisa na internet indicará outros fornecedores de produtos para Centros Gastronômicos/Escola de Culinária, que poderão estar localizados mais próximos ao local de instalação do negócio.

Algumas escolas de Culinárias
Ateliê Gourmand (SP)
Tel. (11) 3060-9547
e-mail: agourmand@uol.com.br

Escola Wilma Kövesi (SP)
Tel. (11) 3082-9151
www.wkcozinha.com

Ateliê de Alta Gastronomia (SP)
Tel. (11) 852-8192
Spicy (SP)
Tel. (11) 852-8377
www.spicy.com.br

Escola Le Cordon Bleu (DF)
Tel. (61) 307-2941
e-mail: cet@unb.br

Escola Kate White (BA)
Tel. (71) 329-5679
Centro de Culinária Elíbia Portela (BA)
Tels. (71) 351-1045/358-3159
www.elibiaportela.com.br

In House (RJ)
Tels. (21) 494-6204/494-5969
As Marias (RJ)
Tels. (21) 287-6587/247-9630

Normas Técnicas

Não existem normas técnicas específicas que regulamentem este segmento empresarial.

Glossário

Chef - é o profissional que elabora os pratos, o cardápio e organiza toda a cozinha do restaurante.
À doré: indica o alimento empanado e frito.
A? la? carte: francês ? ?de acordo com o cardápio? .
A? la? mode: ?na moda?, significa uma certa maneira de servir um prato, por exemplo, torta ou assado.
Al dente: termo italiano que define o ponto de cozimento de massas, cereais (arroz) e hortaliças quando estas oferecem alguma resistência ao serem mordidas, apesar de estarem cozidas.
Ao ponto: o alimento que chegou ao ponto de cozimento. Referindo-se à carne, indica que está entre o bem-passado e o mal-passado.
Bistro: Um pequeno restaurante ou café estilo "familiar", que geralmente serve especialidades regionais. O cardápio é limitado e apresenta pratos especiais para cada dia da semana. Conceito do chef Anthony Bordain.
Boleador: utensílio de cozinha, semelhante a uma colher, utilizado para escavar frutas firmes, manteiga, queijos etc., formando pequenas bolinhas.
Demolhar: deixar de molho em água, alimentos conservados no sal como o bacalhau, algumas carnes, etc. O bacalhau deve ser demolhado por 36 horas, no mínimo (em algumas receitas, quando utilizado em postas, fica 48 horas). O objetivo não é só retirar o sal: é hidratar novamente o alimento, restituindo-lhe a consistência. A água deve ser trocada várias vezes durante a operação. O bacalhau deve ser demolhado com as postas voltadas com a pele para cima. Leguminosas devem ser demolhadas para que soltem na água substâncias indigestas. (A água deve ser desprezada para o cozimento).
Empanar: passar os alimentos, como carne, peixes, vegetais, etc., em farinha de trigo ou de rosca, ou biscoitos crackers, com ovos.
Emulsão: a mistura de dois ou mais líquidos, ambos não solúveis. Se os dois líquidos forem bem batidos juntos, uma vai se dividir em glóbulos que serão completamente envolvidos pelo outro.
Enfarinhar: passar um alimento em farinha, seja de trigo, de mandioca ou fubá. Significa também polvilhar com farinha, como no caso de uma fôrma, para que o bolo não grude nela na hora de desenformá- lo.
Enfeitar: decorar o prato principal com partículas de alimento pequenas e contrastantes, que agradam à vista.
Engrolar: ferver ou cozinhar até ficar parcialmente cozido. O cozimento geralmente termina através de algum outro método.
Engrossar: adicionar alimentos espessantes a certos pratos para que fiquem menos líquidos. Usa-se farinha de trigo, amido de milho MAIZENA®, araruta, fécula de batatas, gemas ou, às vezes, simplesmente ferve-se o alimento em fogo forte até que este fique com a consistência desejada.
Ensalada: salada em espanhol. Mas em Cuba refere-se também a um tipo de refresco com água, limão e abacaxi.
Entrée: na América do Norte é o prato principal de uma refeição. Na França é um petisco.
Envidraçar: cobertura lustrosa de uma substância açucarada com geléia de groselha usado na comida para fins de decoração.
Escalope: assar comida em molho cremoso ou outro líquido. Tipo de molusco. Também designa uma fatia de carne sem nervos ou gordura cortada fino.
Escaldar: cozinhar abaixo do ponto de ebulição em líquido quente suficiente para cobrir o alimento. Mergulhar em água fervente, em seguida mergulhar em água fria. Cozinhar alimento no ponto de ebulição. Leite que atinge no mínimo 85ºc.
Escoar: separar a comida sólida do líquido.
Estrugir: o mesmo que refogar (termo português).
Estofar: cozinhar lentamente em uma panela tampada um alimento em sua própria gordura e seu próprio suco (termo espanhol). Em Portugal é o mesmo que estufar.
Falhar: cortar em fatias finas (termo português).
Fermentação: transformação química provocada em certos alimentos pela adição de um fermento. Em massas, por exemplo, a fermentação faz com que elas cresçam, tornando-as leves. Aumentar ou tornar mais leve um alimento com ar, vapor ou gás (dióxido de carbono), geralmente executado com levedura, fermento em pó ou bicarbonato de sódio.
Fouet: chicote ou batedor de ovos. Seu formato pode ser em espiral ou em voltas duplas (termo francês).
Garfo de fritos: o mesmo que escumadeira (termo português).
Gourmet: uma pessoa que aprecia comidas e bebidas finas.
Gratinar: frutos do mar, frango e vegetais preparados com um molho, polvilhados com farinha de rosca com manteiga ou farinha de rosca com manteiga e queijo e dourados no forno até ficar com a superfície dourada e crocante.
Grelhar: cozinhar em fogo direto de carvão quente, obtido a partir de chama a gás, elétrica ou carvão. Cozinhar com fogo indireto numa superfície sólida.
Guacamole : prato típico mexicano no qual à polpa do abacate maduro acrescenta-se cebola, tomate pelado, pimentas bem picadas, sal, azeite e suco de limão.
Infusão: líquido impregnado com a essência de um sólido através de imersão, por exemplo, chá e café.
Levantar em castelo: o mesmo que bater as claras em neve (termo português).
Levedura: agente de fermentação, encontrado em fermentos secos, instantâneos e compressados. 1 colher de sopa de fermento em pó ou instantâneo equivale a 30ml do fermento compressado, o instantâneo pode ser usado diretamente no produto em questão sem descansar em água morna com açúcar. 30ml de fermento faz crescer aproximadamente 1,6kg de farinha.
Macerar: extrair o sabor acrescentando água e deixando descansar.
Marinado: um líquido aromático ácido, usado para deixar a comida de molho para que esta absorva o sabor do líquido, além de amaciar. Normalmente uma mistura de vinho, ervas, hortaliças e especiarias.
Marinar: deixar um alimento (geralmente carnes, aves ou peixes) de molho em marinada (vinha-d´alhos) para que fique mais macio e impregnado pelo molho. A marinada pode ser composta de vinagre ou suco de limão ou, às vezes, de vinho, aromatizados com vários temperos, como cebola, alho, louro, salsinha, etc. Por muitas vezes o tempo varia de um a três dias, dependendo do prato.
Marinato: o mesmo que marinar (termo italiano).
Matambre:  é o nome dado, no Rio Grande do Sul/Brasil, à carne que cobre a costela bovina.
Mousse: sobremesa gelada de creme de leite.
Moyashi: broto de feijão (termo japonês).
M.s.g.: (monossódico glutamato) ? um produto químico usado para realçar o sabor de alimentos, derivado de beterraba, milho e trigo. Deve-se tomar cuidado com a quantidade usada na preparação de alimentos.
Pão ázimo: Pão confeccionado sem uso de fermento, muito utilizado nas culinárias de origem judaica.
Parrilla : é o nome que se dá ao preparo de carnes na lenha, sobretudo na Argentina e no Uruguai.
Pelar: retirar a pele.
Petit four: é um pequeno biscoito seco (ou bolo) decorado com geléias, chocolate, açúcar e outros confeitos. Tradicionalmente servido acompanhando café, chá, sorvetes ou sobremesas cremosas.
Pincelar: passar determinado líquido, usando um pincel, sobre carnes, tortas, empadas, etc. para que não ressequem durante o cozimento ou para que fiquem douradas ou brilhantes, devido ao líquido usado.
Pontilhar: colocar pequenos pedaços de manteiga, queijo, etc, sobre a superfície da comida.
Ponto de fusão: temperatura em que um sólido se transforma em líquido.
Postas : bifes espessos de peixe.
Potage: termo francês para uma sopa espessa.
Puchero: termo da culinária espanhola que designa uma panela de cerâmica, ou ferro fundido, com um pé de cerca de 30 cm, e mais 30 cm da panela propriamente dita. O diâmetro é de cerca de 1 palmo. Nessa panela, eram colocados os ingredientes regionais, e cozidos lentamente, no calor da lareira. Por essa razão, as receitas de puchero são muito variadas.
Queimar: dourar rapidamente a superfície da carne em fogo bem alto.
Refogar: fritar os ingredientes indicados pela receita até ficarem macios ou dourados.
Regar: espalhar um líquido sobre o alimento. Um bolo com licor, uma salada de frutas com calda, um assado com seus próprios sucos ou outros líquidos, etc. Umedecer a parte exterior dos alimentos durante o cozimento, para evitar que se sequem; aumenta o sabor e melhora a aparência.
Render: derreter a gordura aquecendo devagar.
Reduzir: reduzir o volume de um líquido através de cozimento lento.
Revestir: cobrir toda a superfície da comida.
Salpicar: polvilhar o alimento com farinha de trigo ou de rosca, com canela ou outro tempero, com uma mistura granulada, como nozes picadas, com passas ou qualquer outro ingrediente seco, usado como tempero ou enfeite.
Sangrar: deixar o peixe dentro da água para que fique branco (termo português).
Temperar: salpicar temperos sobre uma comida para melhorar o paladar.
Textura: estrutura interior de um produto; a sensação de uma substância sob os dedos ou na boca.
Torrar: dourar a superfície do alimento através da aplicação de calor direto.
Tostar: torrar suficientemente.
Trinchar: cortar carnes em fatias ou aves em pedaços, com utensílios adequados.
Triturar: o mesmo que picar.

Dicas de Negócio

- É importante, para se tornar mais competitivo, dimensionar o conjunto de serviços que serão agregados; avaliar o custo-benefício desses serviços é vital para a sobrevivência do negócio, porque pode representar um elevado custo sem geração do mesmo volume de receitas.


- Investir na qualidade global de atendimento ao cliente, ou seja: qualidade do serviço, ambiente agradável, profissionais atenciosos, respeitosos e interessados pelo cliente, além de comodidades adicionais como é o caso de estacionamento.


- Procurar fidelizar a clientela com ações de pós-venda, como: remessa de cartões de aniversário, comunicação de novos serviços e novos produtos ofertados, contato telefônico lembrando eventos e promoções.


- A presença do proprietário em tempo integral é fundamental para o sucesso do empreendimento.


- O empreendedor deve estar sintonizado com a evolução do setor, pois esse é um negócio que requer inovação e adaptação constantes, em face das novas tendências que surgem dia-a-dia.


- É importante pesquisar junto aos concorrentes para conhecer os serviços que estão sendo adicionados e desenvolver opções específicas com o objetivo de proporcionar ao cliente um produto diferenciado. Além disso, conversar com os clientes atuais para identificar suas expectativas é muito importante para o desenvolvimento de novos serviços ou produtos personalizados, o que amplia as possibilidades de fidelizar os atuais clientes, além de cativar novos.

- O empreendedor deve manter-se sempre atualizado com as novas tendências, novas técnicas, novos utensílios e produtos, através da leitura de colunas de jornais e revistas especializados, programas de televisão ou através da Internet.

 


 

Caracteristicas

O empreendedor envolvido com atividades relacionadas à Escola de Culinária precisa adequar-se a um perfil que o mantenha na vanguarda do setor. É aconselhável uma auto-análise para verificar qual a situação do futuro empreendedor frente a esse conjunto de características e identificar oportunidades de desenvolvimento. A seguir, algumas características desejáveis ao empresário desse ramo.
- Ter paixão pela atividade e conhecer bem o ramo de negócio.
- Pesquisar e observar permanentemente o mercado em que está instalado, promovendo ajustes e adaptações no negócio.
- Ter atitude e iniciativa para promover as mudanças necessárias.
- Acompanhar o desempenho dos concorrentes.
- Saber administrar todas as áreas internas da empresa.
- Saber negociar, vender benefícios e manter clientes satisfeitos.
- Ter visão clara de onde quer chegar.
- Planejar e acompanhar o desempenho da empresa.
- Ser persistente e não desistir dos seus objetivos.
- Manter o foco definido para a atividade empresarial.
- Ter coragem para assumir riscos calculados.
- Estar sempre disposto a inovar e promover mudanças.
- Ter grande capacidade para perceber novas oportunidades e agir rapidamente para aproveitá-las.
- Ter habilidade para liderar a equipe de profissionais de Centro Gastronômico/Escola de Culinária.

 

Bibliografia

AIUB, George Wilson et al. Plano de Negócios: serviços. 2. ed. Porto Alegre: Sebrae, 2000.

BARBOSA, Mônica de Barros; LIMA, Carlos Eduardo de. A Cartilha do Ponto Comercial: Como escolher o lugar certo para o sucesso do seu negócio. São Paulo: Clio Editora, 2004.

BIRLEY, Sue; MUZYKA, Daniel F. Dominando os Desafios do Empreendedor. São Paulo: Pearson/Prentice Hall, 2004.

COSTA, Nelson Pereira. Marketing para Empreendedores: um guia para montar e manter um negócio. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003.

DAUD, Miguel; RABELLO, Walter. Marketing de Varejo: Como incrementar resultados com a prestação de Serviços. São Paulo: Artmed Editora, 2006.

DOLABELA, Fernando. O Segredo de Luisa. 14. ed. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.

KOTLER, Philip. Administração de Marketing: a edição do novo milênio. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

SILVA, José Pereira. Análise Financeira das Empresas. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2006.
Cozinhar ? A história - ABAGA
Disponível em: http://www.abaga.com.br/index.phpAcesso em: 17 jul.2010.

Idéia de Negócio Novo: Franquia de Escola de Culinária
Disponível em: http://www.negocios-oportunidades.com.br/blog/ideia- de-negocio-novo-franquia-de-escola-de-culinaria/
Acesso em: 17 jul.2010.

A turma do avental
O prazer de cozinhar leva amadores a cursos de culinária e transforma reuniões de amigos em banquetes
Por Lydia Medeiros e Maria Clarice Dias, de Brasília
Disponível em: http://epoca.globo.com/ed ic/20000904/soci1a.htm
Acesso em: 17 jul.2010
ATELIER GOURMAND
Escola de Gastronomia
Rua Bela Cintra, 1783
01415-001 - São Paulo ? SP
Tel: (11) 3060-9547
Disponível em: http://www.ateliergourm and.com.br/quem_somos.html
Acesso em: 17 jul 2010.
Cozinha Tem Futuro ?
Disponível em: http://www.gwgastronomia.com.br/index.p hp?option=com_k2&view=item&id=11:cozinha-tem-futuro?&Itemid=64Acesso em: 17 jul 2010.

CULINÁRIA  X  GASTRONOMIA
Disponível em: http://www.cardapiosjf.com.br/site.php?pagina =conteudo.php&Area=Vamos%20e%20venhamos&CodConteudo=69
Acesso em: 17 jul.2010

Gastronomia X Culinária 
Disponível em: http://donaroots. wordpress.com/gastronomia-x-culinaria/
Acesso em: 17 jul.2010.
História da Culinária / Apresentação
Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/ Culin%C3%A1ria
Acesso em: 17 jul. 2010.

EVENTOS em Brasília
Disponível em: http://www.kazachique.com.br/capa_eventos/kaza_eventos_detalhe.php?id=11
Acesso em: 14 jul. 2010.
Projeto para Escola de Gastronomia e Cozinha Experimental
Disponível em: http://www.engetecno.com.br/port/p roj.php?projeto=escola-de-gastronomia-e-cozinha-experimental-para-500-alunos-por -dia
Acesso em: 13 jul. 2010.

Projeto de Escola com Curso de Culinária
Disponível em: http://www.engetecno.com.br/port/proj.php?projeto=escola-co m-curso-de-culinaria-10-alunos-dia
Acesso em: 13 jul. 2010.

Festival Brasil Sabor
Disponível em: http://gordasafa da.com.br/2010/04/festival-brasil-sabor/
Acesso em: 27 jul. 2010.

Vem aí o Festival Brasil Sabor 2010. Sabores que contam histórias.
Disponível em: http://www.comerbembarato.com/vem-ai-o-festival-brasi l-sabor-2010-sabores-que-contam-historias.html
Acesso em: 27 jul.2010.

GLOSSÁRIO GASTRONÔMICO
Disponível em: http://www.posto7.com.br/gl ossariotuvwxyz.htm