sebraelogo

Comercialização de água mineral

Mauro Garcia

Apresentação

Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. O objetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender?

A água mineral é usada há cerca de 2500 anos. Em 1605 um Edito do rei Henri IV regulamentava a atividade e o comércio das águas minerais. Somente em 28 de julho de 1823 com a "Disposição Real" do rei da França é que a água mineral começou a ser engarrafada.

A água mineral é considerada no Brasil e no mundo, um alimento. Existem ainda considerações da água mineral, como medicamento e como produto dietético e de regime. A água mineral era vendida em farmácias, pois essencialmente sua função era medicinal. A igreja reconhece as qualidades terapêuticas ?milagrosas? das águas minerais e colocava as fontes sob proteção de um santo, o que justificava a maioria dos nomes das fontes.

Em 1945, com a necessidade de padronizar o aproveitamento das águas minerais brasileiras utilizadas em balneários ou para comercialização através do engarrafamento, o Presidente da República, Getúlio Vargas, exatamente em 08 de agosto de 1945, assinou o Decreto-Lei nº 7.841, publicado no DOU de 20 de agosto de 1945, conhecido como o "Código de Águas Minerais"; competindo ao Ministério de Minas e Energia (MME) através do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) as outorgas em todo o território nacional.

Com a introdução da máquina de encher frascos, com a embalagem de vidro, a atividade industrial cresce, e surgem as grandes marcas de água mineral.

No fim dos anos 60, um novo impulso é dado a esta atividade em função do surgimento das embalagens plásticas.

No Brasil, a produção de água engarrafada manteve-se estável até 1968, ano que marcou o início de uma nova fase no mercado, com lançamento do garrafão de vidro de 20 litros pela Indaiá, do Distrito Federal. O garrafão possibilitou a ampliação do mercado, nele inserindo um novo consumidor: a empresa. A água mineral engarrafada deixava de frequentar apenas casas, bares, lanchonetes e restaurantes para estar também presente em indústrias, lojas e escritórios.

Em 1970, outra novidade da indústria de águas minerais a conquista do consumidor, as garrafinhas plásticas de polietileno de baixa densidade (PEBD), embalagem de água Fontana, marca engarrafada pela M. Piccaglia, do Rio de Janeiro. Uma agradável surpresa que facilitou o transporte e até o manuseio do produto pelo consumidor final.

Três fatos contribuíram para o boom que se verificou no setor a partir de 1972. O ritmo de crescimento ganhou velocidade com a produção do garrafão de plástico (policarbonato) pela Van Leer, em 1979. O novo garrafão sinalizou o desenvolvimento da indústria plástica, que passou a oferecer os mais diversos produtos (PVC, PP, PS e PET) com diferentes capacidades, abrindo novas possibilidades ao setor de água mineral e potável de mesa.

Com esta evolução, a indústria engarrafadora brasileira chegou aos anos 90 produzindo algo além de água mineral ou potável de mesa: o binômio embalagem/produto. Os garrafões respondem hoje por 55% do volume total de águas minerais, comercializadas no país, devido a sua praticidade ganhou espaço em residências, empresas e escolas.

Em 1997 a indústria engarrafadora nacional movimentou em torno de R$ 500 milhões, essa indústria não danifica o meio ambiente, preservando hoje o equivalente ao estado do Sergipe.

A indústria de água mineral e potável de mesa não necessita de suprimento externo para sua perfeita instalação e manutenção, e supre as necessidades de consumo da população brasileira, oferecendo os diversos tipos de água encontrados nas regiões do País.

Este documento não substitui um plano de negócio. Para elaborá-lo procure o Sebrae.

Mercado

Segundo a ABINAM ? Associação Brasileira da Indústria de Água Minerais, o mercado de águas minerais tem sido afetado pelos diversos fatores econômicos que o mundo tem vivenciado nos últimos tempos. Inclusive o vice-presidente sênior da Nestlè Waters na Europa, Wolfgang Pasewald, o setor vem sendo também afetado pela crise econômica mundial, sofrendo as consequências da elevação dos preços das commodities, da inflação e da redução de consumo. Ele lembra ainda os ataques que as embalagens plásticas vêm sofrendo ultimamente por meio da mídia, em razão dos seus efeitos sobre o meio ambiente.

Segundo ele, esses dois fatores afetam o setor e explicam porque o mercado de águas vem experimentando um período de deflação e de crescimento mais lento.

Mas mesmo diante desse cenário, em volume de vendas, a água envasada mantém sua trajetória ascendente, com perspectivas de continuar nesse ritmo nos próximos anos. Segundo balanço da Zenith International, apresentado por Richard Hall, o consumo mundial cresceu 12 bilhões de litros (6%) em 2007, totalizando 206 bilhões de litros, correspondentes ao faturamento de US$ 100 bilhões.

A projeção da consultoria para 2011 é de consumo de 250 bilhões de litros, superando o volume global de refrigerantes, estimado em cerca de 220 bilhões de litros para o ano corrente.

Mantidas essas projeções, o consumo de água assinalará, entre 2001 e 2011, crescimento de 124% contra 36% das bebidas carbonatadas. No mesmo período, os chás terão crescido 100%, os leites, 58%, as cervejas, 34% e os sucos, 11%.

O levantamento da Zenith revelou que, no segmento de embalagens descartáveis, as águas carbonatadas representaram 14% da produção mundial e as sem gás, 49%. Os garrafões ficaram com 37%.

As regiões que mais utilizam garrafões são a América Latina, onde eles representam 70% da produção, e o Oriente Médio, 62%. Na América do Norte são 23% e na Europa Ocidental, 3%.

Quanto aos preços médios por litro, eles caíram em quase todas as regiões desde 2002. Em 2007, os preços médios praticados foram os seguintes, em euros: América do Norte, 0,61; Europa, 0,55; América Latina, 0,18. A média mundial foi de 0,34.

Não obstante, a posição ocupada pelo Brasil, no ranking mundial do mercado de água mineral, como sexto maior produtor mundial, as exportações são mínimas.

Há uma grande tendência nas residências e nos escritórios, do uso da água mineral e dos filtros domésticos. Tudo isto se deve a grande desconfiança que os usuários dos serviços públicos ou privados de abastecimento de água potável, têm da qualidade da água distribuída.

Isto acontece nos Estados Unidos e outros países na Europa como a Inglaterra, França, Itália e Alemanha. O aumento da venda de água mineral e de filtros domésticos avança da ordem de 20% ao ano.

Consumo per capita
Média nacional: 31 litros/ano
São Paulo: 75 litros/ano

Distribuição da produção, por segmentos
Retornáveis (garrafões de 10 e 20 litros): 60%
Descartáveis (do copo ao garrafão de 5 litros): 40%

Produção, por regiões
Sudeste: 53,4%
Nordeste: 22,5%
Sul: 12,3%
Norte: 6,0%
Centro-Oeste: 5,8%

Principais produtores brasileiros (Estados)
São Paulo: 37,3%
Minas Gerais: 8,7%
Pernambuco: 5,7%
Rio Grande do Sul: 5,7%
Rio de Janeiro: 5,6%
Bahia: 5,1%
Paraná: 4,6%

Após a apresentação dos dados acima, o empreendedor que optar em abrir um negócio de comercialização de água mineral, deverá dar um próximo passo que é realizar uma pesquisa de mercado, para saber quais são as oportunidades e quais são os riscos que atividade oferece.

Localização

A localização de uma empresa de comercialização de água mineral deverá basear-se na formatação que o empreendedor queira dar ao seu negócio, tanto no que tange ao volume de vendas em seu ponto de distribuição (venda direta), bem como no processo de vendas em visitas a clientes e ainda com entrega em domicílio.

Partindo da premissa deve-se então procurar um local de instalação que alie facilidade de identificação da empresa pelos clientes; e rápidos deslocamentos para as entregas nos domicílios dos consumidores.

Se a empresa de comercialização de água mineral tiver vários pontos de vendas, não será necessário que eles estejam próximos da empresa distribuidora, pois será possível programar entregas. Facilitando assim o adequado atendimento de sua clientela, já que sempre terá um ponto de venda nas proximidades do domicílio dos clientes.

O local deverá ter locais específicos para armazenamento dos vasilhames de água mineral, tanto os de garrafões, bem como os de menores recipientes e os botijões vazios que são destinados a indústria ou engarrafadora de água mineral.

Exigências

O empreendedor de uma empresa de comercialização de água mineral deverá cumprir algumas exigências iniciais e somente poderá se estabelecer depois de cumpridas, quais sejam:

Registro da empresa nos seguintes órgãos:
? Junta Comercial;
? Secretaria da Receita Federal (CNPJ);
? Secretaria Estadual de Fazenda;
? Prefeitura do Município para obter o alvará de funcionamento;
? Enquadramento na Entidade Sindical Patronal (empresa ficará obrigada a recolher por ocasião da constituição e até o dia 31 de janeiro de cada ano, a Contribuição Sindical Patronal);
? Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema ?Conectividade Social ? INSS/FGTS?;
? Corpo de Bombeiros Militar.

Visita à prefeitura da cidade em que pretende montar a sua empresa de comercialização de água mineral para fazer a consulta de local e emissão das certidões de Uso do Solo e Número Oficial. Algumas prefeituras disponibilizam esse serviço via internet, o que agiliza sobremaneira esse tipo de consulta.

Passo seguinte para a formalização da empresa:

? Após a liberação do contrato social devidamente registrado na Junta Comercial de seu Estado, do CNPJ e da inscrição estadual, também, deve-se providenciar o registro da empresa na Prefeitura Municipal para requerer o Alvará Municipal de Funcionamento.
? Antes de iniciar a produção o empreendedor deverá obter o alvará de licença sanitária. Para obter essa licença o estabelecimento deve estar adequado às exigências do Código Sanitário (especificações legais sobre as condições físicas).
? O empreendedor deverá atentar que em âmbito federal a fiscalização cabe a Agência Nacional de Vigilância Sanitária ? ANVISA -, já em âmbito estadual e municipal fica a cargo da Secretaria Estadual de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde, respectivamente.

Além dos pontos citados acima, o empreendedor de uma empresa de comercialização de água mineral, deverá atentar a outros normativos legais, tais como:

a. BRASIL. Decreto-Lei nº 7.841, de 8 de agosto de 1945. Código de Águas Minerais.
b. BRASIL. Decreto-Lei nº 986, de 21 de outubro de 1969. Institui Normas Básicas sobre Alimentos.
c. BRASIL. Decreto nº 78.171, de 2 de agosto de 1976. Dispõe sobre o Controle e Fiscalização Sanitária das Águas Minerais destinadas ao Consumo Humano.
d. BRASIL. Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977. Configura infrações a legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas e dá outras providências.
e. BRASIL. Ministério das Minas e Energia e Ministério da Saúde. Portaria nº 805, 6 de junho de 1978. Aprova rotinas operacionais pertinentes ao controle e fiscalização sanitária das águas minerais.
f. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria nº 15, de 23 de agosto de 1988. Normas para Registro dos Saneantes Domissanitários com Ação Antimicrobiana.
g. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria nº 1428, de 26 de novembro de 1993. Aprova o Regulamento Técnico para Inspeção Sanitária de Alimentos, Diretrizes para o Estabelecimento de Boas Práticas de Produção e de Prestação de Serviços na Área de Alimentos e Regulamento Técnico para o Estabelecimento de Padrão de Identidade e Qualidade para Serviços e Produtos na Área de Alimentos.
h. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria nº 28, de 18 de março de 1996. Aprova o Regulamento Técnico sobre as Embalagens e Equipamentos Metálicos em Contato com Alimentos.
i. BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento Nacional de Produção Mineral. Portaria nº 159, de 1º de abril de 1996. Estabelece a documentação necessária para importação e comercialização da água mineral de procedência estrangeira.
j. BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento Nacional de Produção Mineral. Portaria nº 222, de 28 de julho de 1997. Estabelece especificações técnicas para o aproveitamento das águas minerais e potáveis de mesa.
k. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria nº 326, de 30 de julho de 1997. Regulamento Técnico sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos.
l. BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento Nacional de Produção Mineral. Portaria nº 231, de 31 de julho de 1998. Estabelece metodologia de estudos necessários à definição de áreas de proteção de fontes, balneários e estâncias de águas minerais e potáveis de mesa.
m. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução n° 105, de 19 de maio de 1999. Aprova os Regulamentos Técnicos: Disposições Gerais para Embalagens e Equipamentos Plásticos em contato com Alimentos.
n. BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Portaria nº 470, de 24 de novembro de 1999. Institui as características básicas dos rótulos das embalagens de águas minerais e potáveis de mesa.
o. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 22, de 15 de março de 2000. Dispõe sobre os Procedimentos Básicos de Registro e Dispensa da Obrigatoriedade de Registro de Produtos Importados Pertinentes à Área de Alimentos.
p. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 23, de 15 de março de 2000. Dispõe sobre o Manual de Procedimentos Básicos para Registro e Dispensa da Obrigatoriedade de Registro de Produtos Pertinentes à Área de Alimentos.
q. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 91, de 11 de maio de 2001. Aprova o Regulamento Técnico - Critérios Gerais e Classificação de Materiais para Embalagens e Equipamentos em Contato com Alimentos.
r. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002. Regulamento Técnico para Rotulagem de Alimentos Embalados.
s. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/ Industrializadores de Alimentos.
t. BRASIL, Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº. 518, de 25 de março de 2004. Estabelece os Procedimentos e as Responsabilidades relativos ao Controle e Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano e seu Padrão de Potabilidade.
u. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
v. Resolução-RDC nº 274, de 22 de setembro de 2005. Regulamento Técnico para Águas Envasadas e Gelo.

 

Estrutura

O tamanho da estrutura física varia de empresa para empresa, no entanto apresenta-se abaixo uma estrutura de uma empresa de comercialização de água mineral de médio porte, considerando a disponibilidade de espaços específicos para área armazenamento água mineral, em seus diversos formatos e tamanhos, cheios e vazios, bem como espaço destinado às operações administrativas.

Os espaços citados devem ser dotados de layout adequado, respeitando a facilidade de movimentação, conforme se segue:
a) ARMAZENAMENTO ? esse espaço deverá ser dividido em duas partes, sendo uma destinada ao armazenamento dos garrafões cheios, e os demais recipientes de tamanhos variados, e outro espaço para os garrafões vazios.

Esses espaços devem ser cobertos, portanto, não devem receber a luz solar de forma direta. Assim a área de armazenamento deverá ser, de preferência, em formato de galpão.

A opção por galpão se justifica ainda pela facilidade de carregar e descarregar os produtos comercializados em sua empresa.

b) ADMINISTRATIVA ? esse espaço, que deverá contar com uma área mínima de 40 m?2;, no qual será distribuído o mobiliário, microcomputadores, impressora, telefone, dentre outros itens. Devendo ser alocados organizadamente, possibilitando o desenvolvimento das atividades de escritório comercial e administrativo-financeiro.

O empreendedor deverá estar atento à definição dos espaços para instalação de sua empresa de comercialização de água mineral, pois o ideal é que seja respeitado o projeto arquitetônico do imóvel, buscando com isto dinamizar a operação da empresa.

Pessoal

O quadro de pessoal variará de acordo com o tamanho do empreendimento e a capacidade de armazenamento e vendas.

Mas, deve-se, no mínimo contar, com um quadro com 4 empregados sendo:
? 1 empregado para atuar na recepção e atendimento dos pedidos via telefone, coordenando a ordem e montando rotas de entregas, visando dinamizar o processo de atendimento dos clientes e procurando atender satisfatoriamente às suas expectativas;
? 2 empregados para a área de entregas, sendo que os dois podem atuar com entregas em motos ou também em pequenos veículos, para o caso de entregas maiores que não são suportadas nas motos;
? 1 empregado para o controle do estoque e armazenamento, visando manter sob boa ordem os produtos estocados, pela empresa de comercialização de água mineral.

Além desse quadro fixo a empresa poderá contar com um quadro variável de entregadores terceirizados, com isto será possível otimizar os períodos com maior procura pelo seu produto, evitando assim custo alto com a manutenção de quadro fixo de funcionários.
 
Independentemente do posto que o proprietário do negócio for ocupar salienta-se que será muito importante a sua supervisão em todas as operações da empresa, tanto na parte de compras, armazenamento e entregas, quanto na parte de gestão administrativo-financeira da empresa.

Equipamentos

Os equipamentos necessários para a montagem de uma empresa de comercialização de água mineral de porte médio são os seguintes:

1. Equipamentos da área operacional:
a. Motocicletas, com estrutura metálica para transporte de garrafões de água mineral;
b. Veículo utilitário para transporte de maior quantitativo de recipiente de água mineral, em qualquer formato e tamanho.

2. Materiais para escritório:
a)  Arquivo;
b) Cadeira;
c) Microcomputador;
d) Acesso à internet;
e) Fax;
f) Impressora;
g) Máquina calculadora;
h) Mesa;
i) Telefone.

É recomendável a utilização de um software para o controle de estoques e controle de vendas, que possibilite a gestão integrada da empresa em todas as suas áreas, inclusive que viabilize o controle de custos de serviços, visando melhorar o resultado operacional da empresa.

Matéria Prima

A gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a demanda. Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros, os seguintes três importantes indicadores de desempenho:
Giro dos estoques: o giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado.
Obs.: Quanto maior for a freqüência de entregas dos fornecedores, logicamente em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice de rotação de estoques. Cobertura dos estoques: o índice de cobertura dos estoques é a indicação do período de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas futuras, sem que haja suprimento. Nível de serviço ao cliente: o indicador de nível de serviço ao cliente para o ambiente do varejo de pronta entrega, isto é, aquele segmento de negócio em que o cliente quer receber a mercadoria, ou serviço, imediatamente após a escolha; demonstra o número de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, pelo fato de não existir a mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão.
Portanto, o estoque dos produtos deve ser mínimo, visando gerar o menor impacto na alocação de capital de giro. O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa.

O mix de produtos que o empreendedor irá trabalhar, não é grande. De acordo com a pesquisa que o mesmo deverá efetuar, para identificar seu provável PÚBLICO ALVO é que poderá se iniciar a montagem da linha de produtos que irá oferecer em sua empresa Água Mineral em embalagens com os seguintes tamanhos:
a. Garrafão de 20 litros, com embalagem retornável;
b. Garrafão de 10 litros, com embalagem retornável;
c. Galão de 5 litros, com embalagem descartável;
d. Garrafa de 1,5 litro, com embalagem descartável;
e. Garrafa de 500 ml, com embalagem descartável;
f. Garrafa de 275 ml, com embalagem descartável;
g. Copo em tamanhos variados, tais como 200 ml, 300 ml, 500 ml, dentre outros.

2. Outros produtos que poderão fazer parte do mix de produtos:
a. Bebedouro base para garrafão;
b. Bebedouro base para garrafão eletrônico, para oferecer água natural ou gelada;
c. Torneirinhas de reposição para bebedouro;
d. Copos descartáveis;
e. Capas para bebedouros;
f. Dentre outros itens relacionados a esse segmento empresarial.

Com relação à definição dos fornecedores da água mineral, a empresa poderá trabalhar com várias marcas de água, desde que tenha muito cuidado com o lacre do produto. Ele deve estar intacto.

Deve também procurar fiscalizar seus fornecedores, procurando verificar se os mesmos estão devidamente registrados no órgão fiscalizador e se estão obedecendo as regras de higiene e se os produtos estão sendo entregues com os rótulos e com data de validade.

A forma fácil de conhecer se os fornecedores estão atendendo a esses padrões de exigências é visitar suas engarrafadoras e acompanhar nessa visita, todo o processo de engarrafamento.

 

Processos Produtivos

A organização do processo produtivo deverá seguir alguns pontos tais como:

Armazenagem
1. Os locais para armazenamento da água mineral natural e da água natural devem ser limpos, secos, ventilados, com temperatura adequada e protegidos da incidência direta da luz solar para evitar a alteração das águas envasadas.

2. A água mineral natural ou a água natural envasada deve ser armazenada sobre paletes, estrados e ou prateleiras, respeitando o espaçamento necessário para garantir adequada ventilação, limpeza e, quando for o caso, desinfecção do local. Os paletes, estrados ou prateleiras devem ser de material liso, resistente, impermeável e lavável.

3. A água mineral natural ou a água natural envasada não deve ser armazenada próxima aos produtos saneantes, defensivos agrícolas e outros produtos potencialmente tóxicos para evitar a contaminação ou impregnação de odores estranhos.

Transporte e comercialização
1. As operações de carga e descarga devem ser realizadas em plataforma externa à área de processamento e os motores dos veículos devem permanecer desligados durante a operação, a fim de evitar a contaminação das embalagens e do ambiente por gases de combustão.

2. O veículo de transporte deve estar limpo, sem odores indesejáveis, livre de vetores e pragas urbanas, dotado de cobertura e proteção lateral limpas, impermeáveis e íntegras. O veículo não deve transportar água mineral natural ou água natural envasada junto com outras cargas que comprometam a sua qualidade higiênico-sanitária.

3. O empilhamento das embalagens com água mineral natural ou com água natural, durante o transporte, deve ser realizado de forma a evitar danos às embalagens, a fim de não comprometer a qualidade higiênico-sanitária da água envasada.

4. A água mineral natural ou a água natural envasada deve ser exposta à venda somente em estabelecimentos comerciais de alimentos ou bebidas. Deve ser protegida da incidência direta da luz solar e mantida sobre paletes ou prateleiras, em local limpo, seco, arejado e reservado para esse fim.

5. A água mineral natural ou a água natural envasada e as embalagens retornáveis vazias não devem ser estocadas próximas aos produtos saneantes, gás liquefeito de petróleo e outros produtos potencialmente tóxicos para evitar a contaminação ou impregnação de odores indesejáveis.

O negócio de distribuição/comercialização de água mineral, na maioria das vezes se dá através do telefone, fax ou e-mail. O cliente faz o pedido para a empresa e essa providência a relação de todas as solicitações, carrega no veículo utilitário e em seguida o motorista juntamente com o ajudante entregador vão efetuar as entregas.

O segredo nesse negócio é a presteza na entrega. O cliente valoriza muito a pontualidade e a educação do profissional entregador e também os seus cuidados higiênicos com o produto, visto que ele está manuseando o líquido que irá ?alimentar? sua família.

O fator da higienização é de fundamental importância neste negócio, visto que se está lidando com a saúde pública.

Segundo o Sr. Sidnei Brasil Sales, cirurgião dentista aposentado, proprietário da Disk Água Tudo Azul, localizada em Perdizes São Paulo, que montou sua distribuidora dando ênfase na qualidade e na higiene, considera difícil manter um comércio de águas lucrativo e ao mesmo tempo correto.

A sua empresa faz as instalações com luvas descartáveis, a higienização dos galões ao sair da loja e na sua instalação na casa/escritório do cliente com álcool. Mesmo com estes custos a mais ele afirma ?Esse é um investimento em longo prazo, porém, com um retorno seguro. É um modo de trabalhar que valoriza o comércio que trabalha com águas minerais?.

Automação

O nível de automação não é tão expressivo. Isto porque o processo operacional é bastante simples, mas o investimento em automação dinamiza toda a sua área administrativa, financeira, comercial e operacional. Assim, entende-se que inicialmente com até três microcomputadores será possível viabilizar uma gestão automatizada.

Ressalta-se que a empresa é uma parte integrante da vida do empresário, portanto, conhecer todos os seus atos e fatos será de fundamental importância, já que uma empresa bem gerida estará bem encaminhada rumo ao sucesso empresarial.

Segue alguns programas de automação disponíveis no mercado: Programa Disk Gás e Água - www.programadegas.com.br

Completo / Moderno / Versão 2008 c/ Bina Estoque, Despesas e muito mais. Informatize seu Disk Água - www.bittwork.com.br  Tele-entrega com Bina, estoque, receitas e despesas.

Canal de Distribuição

O canal de distribuição de uma empresa de comercialização de água mineral é a própria empresa que ofertará seu produto de forma direta, seja via televendas ou presencial via vendedores externos.

Existe também a possibilidade de venda mediante demanda direta, aquela em que o cliente busca a empresa de comercialização de água mineral para fazer a sua compra.

Investimentos

O investimento para montar uma empresa de comercialização de água mineral de médio porte deverá girar em torno do que segue abaixo:

Equipamentos da área operacional:
a. Motocicletas ? 2 = R$ 12.000,00;
b. Veículo utilitário ? 1 = R$ 15.000,00.

Total de Equipamentos ............................. R$ 27.000,00

Materiais para escritório:
a. Mesa - 4 = R$ 1.000,00
b. Cadeira ? 12 = R$ 1.440,00
c. Arquivo ? 1 = R$ 700,00
d. Microcomputador ? 3 = R$ 4.500,00
e. Máquina calculadora ? 4 = R$ 200,00
f. Impressora laser ? 1 = R$ 600,00
g. Acesso a internet ? 1 = R$ 150,00
h. Impressora ECF ? 1 = R$ 1.400,00
i. Fax ? 1 = R$ 450,00
j. Telefone ? 4 = R$ 200,00

Total do Mobiliário ................................... R$ 10.640,00

TOTAL DE EQUIPAMENTOS/MOBILIÁRIO = R$ 37.640,00.
 
Observações:
1. Não estão considerados os gastos relativos à aquisição ou reforma do imóvel escolhido para a instalação da empresa, pois ele poderá ser alugado.

2. Nos valores acima não está previsto a aquisição de matéria-prima inicial, pois esse gasto irá depender do espaço para estocagem de mercadorias, bem como expectativa de venda da empresa de comercialização de água mineral.

3. Os preços acima são meramente referenciais, para fins de estimativa do investimento necessário.

Capital de Giro

Custos

São todos os gastos realizados na produção de um bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente no preço dos produtos ou serviços prestados, como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissionais, despesas de vendas, matéria-prima e insumos consumidos no processo de produção, depreciação de maquinário e instalações.
 
O cuidado na administração e redução de todos os custos envolvidos na compra, produção e venda de produtos ou serviços que compõem o negócio, indica que o empreendedor poderá ter sucesso ou insucesso, na medida em que encarar como ponto fundamental a redução de desperdícios, a compra pelo melhor preço e o controle de todas as despesas internas. Quanto menores os custos, maior a chance de ganhar no resultado final do negócio.
 
Os custos para abrir e manter uma empresa de comercialização de água mineral pode ser estimado considerando os itens e valores referenciais indicados abaixo:
1. Salários, comissões (caso a remuneração de serviço de colaboradores seja feita com base em desempenho) e encargos: R$ 3.500,00;
2. Tributos, impostos, contribuições e taxas: R$ 750,00;
3. Aluguel, taxa de condomínio, segurança: R$ 1.200,00;
4. Água, luz, telefone e acesso a internet: R$ 150,00;
5. Manutenção de software: R$ 100,00;
6. Produtos para higiene e limpeza da empresa e funcionários: R$ 250,00;
7. Recursos para manutenções corretivas e preventivas de maquinários, equipamentos e instalações: R$ 500,00;
8. Valores para quitar possíveis financiamentos de equipamentos e mobiliários: R$ 1.300,00;
9. Propaganda e publicidade da empresa: R$ 500,00.
10. Assessoria contábil: R$ 800,00;
11. Aquisição de mercadoria: variável, mas pode ser considerado: R$ 18.000,00;
12. Despesas com estocagem e transporte de mercadorias: R$ 900,00;
13. Despesas com vendas: R$ 800,00.

Como agregar valor

Nesse segmento de mercado diversificar não é um processo fácil, pois o seu produto sempre será o mesmo, ou seja, água mineral, no entanto a criatividade do empreendedor poderá ensejar em pontos de situações que possam representar diversificação de sua empresa de comercialização de água mineral.

Isto porque diversificar sempre será o ponto delimitador da barreira entre ser um empresário comum ou de sucesso, já que o processo de inovar na forma de prestação de serviços de venda de água mineral e como esse serviço será prestado manterá a empresa em constante evidência junto ao mercado consumidor.

O empreendedor de comercialização de água mineral poderá comercializar outros produtos, suporte para garrafão de água mineral, bebedouros variados, refrigerantes, itens de alimentação, tais como biscoitos, bolachas em geral, guardanapos, papel tolha, dentre outros desde que sempre atento ao armazenamento e controle de higiene que a área de alimentação requer.

Essa diversificação se torna imprescindível já que as próprias envasadoras de água mineral atua nesse segmento de comercialização direta, o que acaba sendo uma forte concorrência.

Assim ter outros atrativos no seu mix de produtos poderá gerar um direcionamento de clientes e sua manutenção para sua empresa de comercialização de água mineral.

Cita-se abaixo um exemplo desse processo de agregação de valor ao seu negócio:
? A água mineral, por se tratar de um produto que está classificado como alimento, o empreendedor que tratar o negócio com o devido cuidado será visto com diferenciação pelo mercado. Foi pensando nessa direção que o Sr. Sidnei Brasil Sales, cirurgião dentista aposentado, que em 2001, atento ao aumento do consumo de água mineral e pela estreita relação com a odontologia (saúde, fluoretação das águas e higiene), teve a ideia de abrir uma distribuidora de água mineral, dando prioridade à qualidade e higiene.

? Na empresa do Sr. Sidnei, a distribuidora TUDO AZUL as instalações são feitas com o uso de luvas descartáveis, a higienização dos galões Eis aí um exemplo para você novo empreendedor que está buscando uma forma de entrar nesse negócio. Faça como o Sr. Sidnei, pois pra ele deu tão certo que já está planejando abrir uma filial de sua distribuidora. Cuidados, ele seleciona e treina constantemente seus funcionários para melhor atender seus clientes.

? Além de todos esses diferenciais, a distribuidora edita um jornal semanal que orienta e informa os clientes sobre os cuidados com a água mineral.

Com todos esses serviços que agregam valor, o Sr. Sidnei sabe que gasta mais que outras distribuidoras, mas veja o que ele justifica ?Esse é um investimento em longo prazo, porém, com retorno seguro. É um modo de trabalhar que valoriza o comércio de quem trabalha com águas minerais?.

Divulgação

A divulgação de uma empresa de comercialização de água mineral deverá focar o meio de comunicação que mais tem alcance as donas de casas ou suas empregadas domésticas, que é o rádio. Isto porque quando se executa as tarefas domésticas é comum às executantes ficarem ouvindo a programação musical de rádio.

Assim se faz necessário avaliar as pesquisas direcionadas sobre a programação das rádios e seu público ouvinte, visando veicular seus comerciais na rádio e na programação que seu público alvo normalmente ouve.

Após o conhecimento do público alvo a ser atingido, o empreendedor irá elaborar suas estratégias de marketing (folhetos, e-mail, página na Internet, imã de geladeira, etc.), para divulgar sua empresa. No caso deste negócio, as maiorias dos pedidos ocorrem via telefone, fax ou e-mail. Desta forma, o mais importante é a entrega pontual. 

O empreendedor deverá dirigir suas propagandas para os locais onde poderão estar seus futuros clientes e então serão seus prováveis canais de distribuição: Condomínios residenciais verticais ou não; Centros comerciais; Escritórios; Academias; Escolas particulares.

Por ser um produto de venda direcionada, a divulgação dos produtos da empresa de comercialização/distribuição de água mineral deverá ser feito através de:
Panfletos - distribuídos nos prováveis canais de distribuição como: casas, apartamentos, escritórios, centros comerciais, academias, escolas particulares etc.;
Anúncios - a serem nos pequenos jornais de bairro;
Mala Direta - para empresas, condomínios;
Web Site ? a propaganda da atualidade, de baixo custo que se bem elaborada funciona muito bem;
Imãs de geladeira ? para que o cliente tenha com facilidade, sempre à mão o telefone da empresa. Pode ser simples, mas sempre funciona.

Informaçes Legais

Eventos

Global Bottled Water Congress. Disponível em: <http:/ /www.zenithinternational.com/events/event_details.asp?id=111>.  O evento nesse ano de 2011 ocorrerá no Rio de Janeiro ? RJ.

Congresso Brasileiro da Indústria de Águas Minerais. Disponível em: <http://www.abinam.com.br/materias.p hp?cd_secao=55&codant=73>. Esse evento acontecerá simultaneamente com o Global Bottled Water Congress.

Concomitante a esses dois evento ocorrerá outros. Assim o empreendedor deverá acessar os sites indicados acima e encontrar outras opções de congressos, cursos, dentre outros.

Entidades

ABAD ? Associação Brasileira dos Atacadistas e Distribuidores
Av. Nove de Julho, 3147 ? 9º andar
CEP: 01407 ? 000 / São Paulo ? SP
Telefax: (11) 3056-7500
http://www.abad.com.br
e-mail: abad@abad.com.br

ABINAM - Associação Brasileira da Indústria de Água Mineral
Rua Pedroso Alvarenga, 584 - 7. andar - Cj. 71 - Itaim Bibi
CEP: 04531-001 / São Paulo - SP
Telefone: (11) 3167-2008
http://www.abinam.com.br

ABIR - Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas
Praça Floriano 19 / 24º andar Cinelândia
CEP: 20031-050 / Rio de Janeiro - RJ
Telefone: (21) 2217-5400
http://www.abir.org.br

Normas Técnicas

As normas técnicas são documentos de uso voluntário, utilizados como importantes referências para o mercado.

As normas técnicas podem estabelecer requisitos de qualidade, de desempenho, de segurança (seja no fornecimento de algo, no seu uso ou mesmo na sua destinação final), mas também podem estabelecer procedimento, padronizar formas, dimensões, tipos, usos, fixar classificações ou terminologias e glossários, definir a maneira de medir ou determinar as características, como os métodos de ensaio.

As normas técnicas são publicadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ? ABNT.

ABNT NBR 14638 - Embalagem plástica para água mineral e de mesa - Garrafão retornável - Requisitos para distribuição. Estabelece os requisitos mínimos de qualidade para a distribuição de água mineral e de mesa acondicionada em garrafão plástico retornável, visando atender às exigências sanitárias legais e contribuir para sua adequada comercialização.

Resolução ANVISA - RDC nº 173 - Publicada no diário Oficial da União no dia 15 de setembro de 2006. A Resolução da ANVISA padroniza, nacionalmente, medidas de controle para todas as etapas do processo, incluindo captação, envase (enchimento e vedação da embalagem), rotulagem, armazenamento, transporte e venda de água mineral.

Glossário

FLUORETAÇÃO ? é um tratamento da água que consiste na adição de pequenas quantidades de flúor.

ENVASE ? é o processo de enchimento e vedação da embalagem.

FILTRO - Tecido, papel sem cola, pedra porosa ou aparelho através dos quais se faz passar um líquido que se quer libertar dos corpos em suspensão. Aquilo que deixa passar apenas uma parte de algo.

TERAPÊUTICA ?  Parte da medicina que ensina a tratar as doenças e a aplicar os medicamentos. = TERAPIA.

MICROBRIOLÓGICAS- Tratado acerca dos micróbios.

Dicas de Negócio

O candidato a empresário na área de empresa de comercialização de água mineral deve entrar nesse negócio consciente de que terá que estar presente a maior parte do tempo de funcionamento da empresa. O ideal para esse tipo de empresa é trabalhar cerca de 14 h por dia, sete dias por semana.

A presença do empreendedor, principalmente no início das atividades do negócio, tanto na parte comercial, quanto no controle e orientação em relação ao adequado processo de estocagem, armazenamento, bem como na gestão financeira será muito importante.

O empreendedor deverá validar conceitos de divulgação inovadores, de forma que consiga manter o seu empreendimento em evidência no mercado perante os consumidores atuais e também dar tratamento especial a potenciais consumidores futuros.

Isto porque a concorrência nesse segmento é bastante expressiva, assim, deverá ser empregado todo esforço comercial possível, visando conseguir conquistar clientes e fazer-se presente no dia-a-dia da região que esteja instalado sua empresa de comercialização de água mineral.

A empresa deve primar pelo compromisso com o horário assumido no momento da venda em relação à entrega em domicílio, para isto será fundamental que se utilizem veículos (moto ou veículo utilitário) em boas condições mecânicas e operacionais, buscando com isto evitar transtornos com panes em tais veículos e por consequência não conseguir cumprir os prazos de entregas.

A água mineral, por ser tratar de um produto classificado como alimento, deve merecer todo o cuidado por parte de todos. Tanto quem vende quanto quem compra, com relação ao quesito higiene.

Para tanto, uma importante dica deste negócio é manter o cliente sempre muito bem informado quanto aos cuidados que o mesmo deverá ter com o manuseio de sua água mineral. Desta forma descrevemos abaixo sugestões de orientações a serem passadas aos clientes compradores.

Orientações que devem ser dadas aos seus clientes consumidores:
Os consumidores devem ser orientados para o consumo adequado de produtos ou serviços, evitando-se, assim, que o produto seja contaminado por uso indevido dos galões/garrafões de água mineral. Veja as sugestões abaixo:

Limpeza dos garrafões antes do uso:
1. Somente aceite garrafões que estiverem lacrados e rotulados de forma que a data de envase possa ser observada.
2. Recuse garrafões com vazamento, violação ou remendos.
3. Lave bem as mãos antes de manipular os garrafões.
4. Lave o garrafão com detergente neutro e esponja limpa destinada somente a isso, ou passe álcool, 70% (sem perfume), deixando-o evaporar antes de introduzir o garrafão no bebedouro.
5. Retire totalmente o lacre e a tampa.
6. Evite colocar as mãos no gargalo após a limpeza.

Limpeza dos bebedouros:
1. Escoe toda a água do reservatório do bebedouro.
2. Lave o bebedouro com esponja sem uso anterior.
3. Faça uma solução de Bicarbonato de Sódio para lavar o bebedouro (300 ml de água para uma colher de chá de bicarbonato).
4. Lave todo o bebedouro, inclusive os acessórios, escoando o restante pela torneira.
5. Enxágue bem o reservatório e depois repita o mesmo procedimento. Jogue água quente para escoar pela torneira (este procedimento deve ser realizado a cada 15 dias).
6. Utilizar água tratada na limpeza (com cloro e isenta de microorganismos).

LEMBRE-SE: Os procedimentos de higienização são importantes para que a água continue inalterada até o consumo.

Caracteristicas

O empreendedor que investir na constituição de uma empresa de comercialização de água mineral, deve ter algumas características básicas, tais como:

1. Ter conhecimento específico sobre o comércio de bebidas não alcoólicas, em especial a parte de água mineral e água natural. Este conhecimento pode ser adquirido em participação em cursos sobre a área ou ainda ter conhecimento prático por ter trabalhado no segmento;

2. Atuar sempre amparado na legislação que disciplina esse setor, além de se resguardar em relação ao fato de se trabalhar com um produto da área alimentícia, pois tem bastante rigor por parte da ANVISA para esse tipo de empreendimento. Por isso, nunca acredite que seu conhecimento seja completo, isto porque se trata de um segmento relativamente complexo e que requer atenção especial nos quesitos higiene, limpeza, preparação de ambiente, dedetização, etc.;

3. Ser uma pessoa que sempre busca melhorar o nível de seu negócio, tanto com a participação em cursos específicos sobre comercialização e produção de água mineral, e também relacionada à segurança e cuidados no manuseio e transporte de água mineral ou natural, quanto de gestão empresarial;

4. Ter habilidade no tratamento com pessoas, tanto com seus colaboradores quanto com clientes, fornecedores, enfim, com todos que de forma direta ou indireta tenha ligação com a empresa;

5. Ser empreendedor com visão prospectiva, sempre com visão de futuro no que tange a expectativa de possíveis convênios e parcerias, buscando aumentar sua capacidade de vendas e também fidelizar clientes;

6. O empreendedor deve participar de palestras sobre comercialização e produção de água mineral, enfim buscar participar do maior número de evento relacionado a área comercial, marketing, produção de água, pois será via cursos, seminários e palestras que será possível melhorar o nível de conhecimento sobre as técnicas de venda e também de produção de água, que é o seu produto fim. Deve-se também participar de cursos voltados à gestão e planejamento de prestação de serviços e comercialização;

7. Além dessas características acima listadas o empresário da área de empresa de comercialização de água mineral tem que ser uma pessoa extremamente criativa, sempre com capacidade de sugerir ou mesmo criar formas inovadoras no estilo de vendas e prestação de serviços, de fornecimento e entrega de água, tendo como foco e objetivo estar sempre à frente de seus concorrentes.

As características indicadas são apenas direcionamentos, isto não quer dizer que um empreendedor, que talvez não se sinta com tais características deva desistir de investir neste novo negócio. Contudo, esse empresário terá que se esforçar um pouco mais do que aqueles que já contam com tais habilidades.

Bibliografia

História da Água Mineral. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wi ki/%C3%81gua_mineral>.  Acesso em: 20 jul. 2011.

Resoluções. Disponível em: <http://www.guia mercadodeaguas.com.br/Minist_saude.htm#278>. Acesso em: 22 jul. 2011.

Mercado. Disponível em: <http://www.unia gua.org.br/public_html/website/default.asp? tp=3&pag=aguamineral.htm#MERCADO>. Acesso em: 22 jul. 2011.

ANVISA. Água mineral com garantia de qualidade. São Paulo: Bradesco, Vida e Previdência, [2008]. Disponível em: <http://www.espacoviv amais.com.br/noticias/mostrar/91>. Acesso em: 24 nov. 2008.

EXEMPLOS de distribuição correta: Disk Água Tudo Azul. Revista Mercado de Águas. São Paulo, ed. n. 10, p.12-14, [2008]. Disponível em: <http://www.aguastudoazul.c om.br/reportagem.htm>. Acesso em: 05 nov. 2008.

MACEDO, Jorge A. B. de. Águas & águas. 3. ed. atual. e rev. [S. l., 2008]. Disponível em: <http://www.jorgemacedo.pro.br/pa ge7.html>. Acesso em: 20 nov. 2008.

MERCADO de filtros domésticos e água mineral. Guarulhos: ACE-Guarulhos, 2006. Disponível em: <http://www.ac eguarulhos.com.br/content.php?m=20061121120137>. Acesso em: 20 nov. 2008.

SEBRAE-MG. Distribuidora de água mineral. Belo Horizonte, 2008. (Ponto de partida: para início de negócio). Disponível em: <www.sebraemg.com.br/Geral/Arquivo_get.aspx?cod_documento=123&cod _conteudo... Acesso em: 05 nov. 2008.

SEBRAE-SC. Comércio de água mineral. Florianópolis, [2008]. Disponível em: <http://www.sebrae-sc.com.br/ideais/default.asp?vcdt exto=3158>. Acesso em: 05 nov. 2008.

SEBRAE-SP. Comece certo: comércio de água mineral. 1. ed. São Paulo, 2005. Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/BDS.nsf/DCEC61E6ED7CBEC1 032571180061076E/$Acesso em: 01 nov. 2008.

TOMAZ, Plínio. A água mineral no Brasil. Guarulhos: ACE-Guarulhos, 2006. Disponível em: <http://www.aceguarulhos.com.br/content.php?m=20060402004936&m1=a%20água% >. Acesso em: 20 nov. 2008.

ZIMERMANN, Cris. Como montar uma distribuidora de água mineral? [S.l.:] Business Opportunities Brasil Weblog, 2008. Disponível em: <http://brasil.business-opportunities.biz/2008/03/13/como-montar-uma-dis tribuidora>. Acesso em: 05 nov. 2008.

ÁGUA & VIDA. São Paulo: ABINAM. Disponível em: <www.abinam.com.br>. Acesso em: 20 nov. 2008.